Poemas

Cristo Crucificado

Cristo Crucificado
Anônimo (Século XVI)


Não me movimenta, meu Deus, para querer-te
o céu que me havias prometido;
nem me movimenta o inferno tão temido,
para deixar por isso de ofender-te.
Tu me movimentas, Senhor! Movimenta-me o ver-te
cravado em uma cruz e escarnecido!
Movimenta-me o ver teu corpo tão ferido.
Movimenta-me tuas afrontas e tua morte.
Movimenta-me, enfim, teu amor de tal maneira,
que, ainda que não houvesse céu, eu te amaria,
e, ainda que não houvesse inferno te temeria.
Não tens que dar-me nada porque te amo,
porque, ainda enquanto espero não esperaria,
o mesmo que te amo te amaria.


FIM


Clique em download para ter acesso ao conteúdo integral.

Download PDF