Poemas

Aos Seus Pés

Sociedade das Ciências Antigas


Aos seus Pés
Por Baruk Cruz


Subo o monte do crânio
para me ajoelhar a cruz.
Sinto meus pecados,
tantos....tantos que não há confissão.
Arrependimento,
este tão pequeno como meu amor.
Mas continuo, ainda que longe
a busca do seu sangue e sua luz.
A subir pedaço a pedaço o monte da minha salvação
pois lá sinto que encontrarei não o meu,
mas o seu amor.
Ao chegar esperando ver as três cruzes no cume,
vejo abismado solitária lá fincada apenas uma,
eu sei de quem é mesmo sem inscrição alguma,
pois já não sinto o peso de um coração impune.
Ao mesmo tempo sou
e não sou eu quem está lá crucificado.
Vejo também pregado em toda sua glória Deus coroado,
sob Teus pés ao meio cravejados,
encontram-se os meus sujos
para serem lavados.
Levanta te alma por ele chamada,
pelos pregos nos pés e mãos,
faz a tua escalada.
E encosta teu peito em Seu peito aberto,
e assim acolhido em seu seio,
o sangue e agua te faz liberto.


FIM


Clique em download para ter acesso ao conteúdo integral.

Download PDF