Poemas

Poema de Natal

 

Recebi o Batismo em um dia de Natal.

Sou grata aos meus padrinhos, que me abençoam, no céu.

Existem. Além da minha compreensão.

 

Admiro agora um quadro com a imagem de Jesus.

Eu não sei se Ele tinha essa aparência... seria uma inspiração, ou um desejo de que Ele assim fosse?

Gostei do xale marrom, cor da Terra.

E da roupa vermelha e branca, como as células brancas e vermelhas do nosso sangue.

 

Sim, Ele é o Todo desta humanidade perdida dentro de nós.

 

Neste Natal, Jesus, permita-nos compartilhar uma centelha da Tua Natureza.

E ter esse sorriso doce, apesar da tristeza profunda, por esta humanidade perdida...

 

A Natureza chora, e geme, porque sente as dores do Parto.

E Cristo quando nos olha? Se Ele é uma criança... quem o protegerá?

Se Ele é a Mãe parturiente, quem dela cuidará?

Se Ele é o Pai, maravilhado e preocupado, quem a ele apoiará?

Se estão ameaçados de morte, quem os protegerá, levará ao Egito?

 

Até que Tu cresças, ó Jesus, em nós, quantos anos...

Permaneces em Nazaré, aprendendo teu ofício...

Mas se queres Manifestar-Te, Jesus, sabes o caminho. Prevês o Cálice com Sangue, a Cruz, e o Gólgota.

A Tua Mãe estará contigo, Madalena e outras mulheres, e teu amigo João.

Os outros não têm medo.

 

Sabias de tudo, Jesus... por que nasceste?

Não sabias... mas querias nascer... e encontrar a nossa humanidade perdida ?

 

Então vem, Jesus, chegou a hora.

Permita-me cooperar como parteira.

Preparo-me para cortar esse cordão com este outro Mundo Sagrado, isso sangra!

Deixa-me olhar o teu Rosto, aquecer-Te, oferecer um copo de água a Tua Mãe.

E me mostra o caminho que devo seguir, no deserto,

onde a loucura não alcança a vida das crianças inocentes, nem as pode ferir.

 

Ah, Jesus, nós já fomos crianças um dia...

Mas perdemos a memória!

Esta inocência queremos de volta...

É o Teu Segredo... porque nunca a esqueceste.

E vive em Ti todos os tempos, desde o Princípio.

 

O vento apaga as marcas na areia.

E Tu, Jesus, estás salvo. Por enquanto...

E esta humanidade reencontrada.Por enquanto...

 

Por Lorena Elisabeth


Clique em download para ter acesso ao conteúdo integral.

Download PDF